Não se esqueça de hoje

Ao perder o sono na de madrugada,  fui zapear a TV e parei no filme “Superman 2”. Comecei a vê-lo,  despretensiosamente, até me deparar com o Christopher Reeve.

Comecei a pensar que em 1980, ano do filme, e no auge de sua fama, ele jamais pensaria que 15 anos mais tarde estaria tetraplégico ao cair de um cavalo.

Vejo na vida e na agonia de alguns pacientes,  a busca incansável de um “amanhã” desde construções que vão desde adivinhar desejos e intenções até construções de longo prazo. E numa negação brutal do hoje,  vão-se os dias,  as horas,  as semanas e os anos…

Os filhos crescem,  os esposos não são mais os mesmos, já se passaram várias fases de vida e nós perdemos os detalhes por um amanhã impossível de prever.

Vejo pessoas que se dedicam arduamente por uma velhice tranquila e perdem os anos do vigor de suas vidas  juntando dinheiro para um futuro imprevisível desejando uma tranquilidade que não se sabe se vai chegar… Nada contra se preparar para ela,  mas,  eu prefiro que ela seja uma parte de meus planos,  porque no mais,  prefiro contemplar meus dias vivendo o melhor que posso e vendo os lugares mais lindos que eu possa, aproveitando cada detalhe e a fantasia dos meus filhos voar pelas nuvens.

Vejo pessoas que conseguem viajar no tempo e viver sempre a frente do que se apresenta,  porque elas preveem o que os outros desejam,  imaginando suas perguntas e dando eles mesmos as interpretações e respostas para o que supostamente imaginam do outro.

Quer exemplo,  né? Sabe aquela mãe,  que vê a roupa que o filho deixou em cima da cama e IMAGINA que ele está pedindo para lavá-la e  prontamente responde que sim colocando a roupa na máquina? Então,  seria lindo o filho não chegasse correndo do trabalho, tomasse banho e descobrisse que a roupa que usaria pra pedir sua namorada em casamento estivesse úmida no varal! Daí,  irritadíssimo, ele pergunta pra ela porque fez isso, se ele não pediu.  Ela magoadíssima,  diz que esfregou delicadamente cada parte de sua camisa para não manchar e que aproveitou e lavou também a calça na mão e que seus braços estão doendo. Para fechar ela chora e diz que muitos gostariam de uma mãe assim e que o filho é um ingrato.

Se esta mãe se desse conta do seu “hoje” e do que se apresenta de forma concreta e não ficasse fantasiando os desejos do seu filho em relação a ela,  poderia ter feito um bolo e chamado suas amigas para um café da tarde e ter tido um dia lindo ao invés de frustrante.

Meus queridos,  tudo que quero dizer é que viver “hoje”  te abstém de uma ansiedade sobrenatural,  pois te capacita a lidar com o que está se apresentando de forma concreta e não hipotética.  Te habilita a lidar com seus sentimentos e não com suas fantasias.

Tente por hoje e tenho certeza que você se sentirá mais feliz e menos ansioso.

Aline Costa

Faça um comentário